Artigos

Vietnam, 40 anos da gloriosa “punhalada nas costas”

Fábio de Oliveira Ribeiro Publicado em 29.04.2015

Ao contrário da Guerra do Vietnam, conflitos recentes foram cobertos por jornalistas engajados nas tropas e controlados por militares. Tudo foi feito sob medida para esconder os equívocos (fogo amigo), as batalhas perdidas e as vitórias inglórias. A liberação dos registros de batalha feitos pelos próprios soldados acarretou o martírio de Bradley Manning e a perseguição feroz a Julian Assange.

Nasci em 1964 e acompanhei a cobertura da dramática Guerra do Vietnam pela televisão. As imagens chocantes daquele conflito, muitas das quais feitas por norte-americanos que não apoiavam o insano esforço do seu país no sudoeste asiático, preencheram minha infância. Ficava grudado na TV durante os noticiários, mas não entendia exatamente o que estava ocorrendo. Só adulto comecei a compreender lentamente como e porque o imperialismo dos EUA teve que ser derrotado em duas frentes, na selva e nas ruas norte-americanas.

A derrota no Vietnam produziu um imenso estrago na auto-estima imperial dos EUA. Foi doloroso e duradouro o drama dos ex-soldados derrotados, detestados pelos conterrâneos que se opuseram àquela guerra e desprezados pelos que apoiaram a mesma. A vitória do Vietnam, país pobre que causou milhares de baixas aos EUA construindo armadilhas de espetos de bambu lambuzados de excrementos, manteve aquele país longe de conflitos armados até a invasão de Granada. Porém, foi somente com a I Guerra do Iraque que os norte-americanos recuperaram seu gosto pelo militarismo.

Entre o fim da Guerra do Vietnam e o início da I Guerra do Iraque o cinema provocou uma mudança profunda no imaginário dos norte-americanos. A geração que fez oposição à guerra envelheceu. As novas gerações de norte-americanos cresceram vendo filmes que glorificavam o esforço de guerra dos EUA no sudoeste asiático. Heróis cinematográficos como Rambo e Braddock venceram nas telas grandes a guerra que os soldados norte-americanos perderam na selva. O cinema teve um papel importante na recuperação da auto-estima imperial dos EUA.

Isto explica, de certa maneira, como e porque a II Guerra do Iraque e a Guerra do Afeganistão receberam intenso apoio dos norte-americanos. Ao contrário da Guerra do Vietnam, estes conflitos recentes foram cobertos por jornalistas engajados nas tropas e controlados por militares. Tudo foi feito sob medida para esconder os equívocos (fogo amigo), as batalhas perdidas e as vitórias inglórias. O advento da internet e a criação do Wikileaks garantiram a liberação dos registros de batalha feitos pelos próprios soldados, algo que deixou as autoridades norte-americanas horrorizadas, acarretou o martírio de Bradley Manning e a perseguição feroz a Julian Assange.    

E já que estamos falando de internet, faço aqui um pequeno parenteses para relatar uma experiência pessoal. Há alguns anos conheci, através do Multiply, um norte-americano que foi soldado no Vietnam. Mantive contato com ele por vários anos, inclusive através do Facebook depois que o Multiply encerrou suas atividades em 2013. Por fim ele acabou me bloqueando por causa do meu anti-americanismo. A tarefa dele no Vietnam, segundo o que ele me disse, era socorrer os soldados feridos e garantir o transporte dos mesmos para hospitais de campanha. Ele sempre me dizia a mesma coisa: “Nunca participei pessoalmente da matança.” Esta distinção que ele faz entre a sua conduta e a dos demais soldados é interessante, pois sem enfermeiros e médicos a matança certamente não poderia continuar ocorrendo.

Outra coisa que me foi dita por aquele veterano dos EUA foi a seguinte: “Nós nunca perdemos uma batalha contra os vietnamitas.” Quando eu citava a Ofensiva do Tet e dizia a ele que os vietnamitas ainda estavam no Vietnam e que os EUA saíram de lá correndo, ele ficava acabrunhado. E então passava a acusar os políticos norte-americanos e os conterrâneos dele de não terem dado o necessário apoio aos soldados. Esta é uma típica versão americanista da “punhalada nas costas” inventada por Adolf Hitler para adocicar os ouvidos dos alemães enquanto tentava chegar ao poder. A cortesia me impediu de dizer ao tal que ele estava usando um discurso de matriz nazista.

Devemos comemorar a vitória do Vietnam? Sim, sem dúvida. Mas não necessariamente por razões ideológicas ou militares. A maior vitória que merece ser comemorada é justamente aquela “punhalada nas costas” detestada pelo meu ex-colega de Multiply e Facebook. O militarismo só é um fenômeno realmente nocivo quando apoiado pela sociedade e estimulado pelo jornalismo. Portanto, é perfeitamente possível dizer que os norte-americanos ganharam uma guerra quando os EUA foi derrotado militarmente no Vietnam. Esta vitória escorreu entre os dedos dos norte-americanos à medida que os EUA recuperaram seu impeto imperial e militarista com apoio da imprensa das novas gerações às guerras no Iraque e no Afeganistão.

Nos últimos anos há uma outra guerra em curso. Ela ocorre no cinema. Há filmes que tem sido feitos para glorificar as campanhas dos EUA no Iraque e no Afeganistão. E há aqueles que procuram desmistificar os dois conflitos, expondo o horror insano da guerra externa e o drama dos soldados que voltam para casa física ou psicologicamente mutilados. Ainda é cedo para dizer qual destas duas tendencias conseguirá se impor às novas gerações de norte-americanos. Uma coisa é certa. Até o presente momento Hollywood não foi capaz de criar nenhum personagem guerreiro do deserto com a mesma força simbólica que um Rambo ou um Braddock.