Artigos

Globo aprontou mais uma. Imagina na Copa

Estanislaw Castelo Publicado em 15.01.2014

Quando é que 5 é maior que 6? É quando se assiste à Rede Globo e quando o assunto é inflação. É uma pequena demonstração do que vem por aí. Imagina na Copa...

Quando é que 5 é maior que 6? É quando se assiste à Rede Globo e quando o assunto é inflação. O gráfico ao lado foi estampado em um grande telão do programa Conta Corrente, da Globonews, na sexta-feira (10). A inflação de 2013 foi colocada como a maior de todas, pois, na Globo, 5,91% é mais do que 5,92%. É até maior do que 6,5%.

Não se sabe se pelo erro em si ou pela imensa repercussão negativa que a manipulação gráfica grosseira alcançou na internet, o fato é que existe a promessa de que a próxima edição do programa retificará a falha e pedirá desculpas aos telespectadores.

O referido gráfico não vem da economia; não vem da matemática; não vem sequer da Física Quântica. Só pode ser explicado pela insistente torcida da Rede em pintar um quadro da economia que só existe na cabeça de seus... "analistas".

Além de ruins em números, o Português dos econometralhas que servem à Globo parece que também vai de mal a pior. Todos eles maltratam o vocábulo "limite", ao dizer que os números de 2013 ultrapassaram a meta de inflação. O limite da meta de inflação para 2013 era 6,5%. Para os doutos comentaristas, uma inflação de 5,91% está fora da meta. Ôps?! Terão sido eles que fizeram o gráfico? Só assim para entender como 5,91% ficou acima de 6,5%.

Até então, todos achávamos que limite era algo que demarcava justamente o ponto de separação entre algo que está dentro e outra coisa que está fora do tal limite. Queimem os dicionários! No raciocínio feito a marretadas, o limite da meta é o meio da meta (o centro). Fica a dúvida atroz: se o limite da meta está fora da meta, para que serve então um limite?

Quando alguém disser que está "no limite", cuidado. Essa pessoa já perdeu as estribeiras. A auto-escola global recomenda que, se o limite de velocidade é de 80km/h, o ideal então é andar a 40 km/h. Quem se arrisca a correr a 60km/h deveria ser parado e multado por irresponsabilidade fiscal ao abusar do limite de velocidade.

A inflação brasileira vive uma tendência de queda. Tanto que a taxa média de inflação dos últimos três anos (governo Dilma) é a menor dos últimos 20 anos. Diante disso, a conclusão dos econometralhas é a de que os números da inflação pioraram. É injusto dizer que são tucanos. Seu bicho preferido é o jabuti, o bicho mais macroprudencial do mundo.

É uma pena o destino do gráfico feito com tanto amor e carinho pela equipe de efeitos especiais do Projac. Os mais cultos perceberam que ele foi inspirado na série "Jornada nas Estrelas". Será tudo desmontado com um frio pedido de desculpas. Pelo menos, seria bom que o tradicional "desculpe a nossa falha" cedesse lugar para o "desculpe a nossa torcida".

E isso é só o começo. Depois piora. É uma pequena demonstração do que vem por aí. Imagina na Copa!

(*) Estanislaw Castelo é especialista em semiótica, semiética, cibernética e professor de Javanês. Cronista da miséria da condição humana e de tantas outras coisas que não cabem em um rodapé.

Publicado em Carta Maior