Artigos

Bresser-Pereira critica valorização do real: desvantagem competitiva

Luiz Carlos Bresser-Pereira Publicado em 06.07.2016

O real não para de se valorizar. A preços de hoje, ele havia se mantido altamente sobreapreciado durante sete anos, flutuando em torno de R$ 2,40 por dólar. Como a taxa de câmbio competitiva ou de equilíbrio industrial é, sempre a preços de hoje, cerca de R$ 3,80 por dólar, essa sobreapreciação de longo prazo (sete anos) da moeda nacional havia sido a causa principal da grande crise que viveu a indústria nacional nesse período.

Com a queda do preço das commodities em 2014 e a crise econômica em que o Brasil estava mergulhando, o real depreciou-se fortemente no segundo semestre deste ano, e, no ano seguinte, flutuou em torno de R$ 3,90 por dólar. Mas desde janeiro deste ano o real está voltando a se valorizar, e, não obstante intervenção do Banco Central, fechou, ontem (quinta, dia 30), a R$ 3,21 por dólar.

Enquanto economista esse movimento cíclico da taxa de câmbio deveria me alegrar, porque a realidade está se comportando exatamente como a teoria novo-desenvolvimentista prevê. Para essa teoria, existe nos países em desenvolvimento que não neutralizam sua doença holandesa e não administram sua taxa de câmbio através de uma política cambial ativa uma tendência à sobreapreciação cíclica e crônica da taxa de câmbio.

O país vai de crise financeira em crise financeira. Quando há uma crise, a moeda nacional se desvaloriza e o país equilibra sua conta-corrente, mas assim que a economia começa a se acalmar, ela volta a se valorizar, mergulha novamente no déficit em conta-corrente, e as boas empresas industriais nacionais, existentes e potencialmente existentes, voltam a enfrentar uma grande desvantagem competitiva.

É o que está acontecendo no Brasil. É exatamente o que a teoria que venho desenvolvendo nos últimos quinze anos prevê. Mas não estou feliz; estou triste, muito triste ao ver minha teoria novamente confirmada.

Todos os brasileiros estão indignados com o alto nível de corrupção que a Operação Lava Jato vem descobrindo e processando. Eu também, e preocupado com a decorrente desmoralização geral dos políticos – o que, definitivamente não é bom. Mas minha indignação maior é ver a economia brasileira se manter há 35 anos semiestagnada e nada se fazer.

É ver economistas e políticos só falarem em deficit público e política fiscal, quando o grande problema são os deficits em conta-corrente e o real sobreapreciado no longo prazo, que inviabilizam o investimento nos setores tecnologicamente sofisticados da economia brasileira. É ver isto acontecer sem que as elites econômicas e políticas se deem conta do que este é problema fundamental da economia brasileira.

Fonte: Facebook do autor