Especiais - EXPOSIÇÃO 95 anos - Democracia é indispensável ao Brasil, O PCdoB é indispensável à democracia

EM BUSCA DE UMA POLÍTICA REVOLUCIONÁRIA

Cezar Xavier Publicado em 02.03.2017

No final da década de 1940, com o início da Guerra Fria, o Partido Comunista vive um momento de empenho para elaborar orientações avançadas. As expressões maiores desse esforço são os manifestos de janeiro de 1948 e de agosto de 1950.

Painel original da exposição

A OPOSIÇÃO A GETÚLIO VARGAS

O PC do Brasil faz oposição a Getúlio Vargas, eleito para o segundo governo em 1950. Ao mesmo tempo, os comunistas se envolvem nas principais lutas patrióticas, sociais e democráticas do período. Destacam-se na luta pela paz e nas poderosas ondas grevistas. A campanha do imperialismo e da direita contra Vargas resultaria em golpe de estado e no suicídio do presidente, em agosto de 1954. Na ocasião, o povo condoído pela morte de Getúlio, revolta-se contra seus opositores.  

O APOIO A JUSCELINO KUBITSCHEK

O suicídio de Vargas provoca uma mudança na linha política do Partido. O processo culminaria no apoio à chapa Juscelino-Jango, vitoriosa nas eleições de 1955. A partir de então, o país passa a viver um período de grande entusiasmo, motivado pelo crescimento econômico dos anos JK e pelo clima político de mais liberdade. O PC do Brasil entra em um momento de semilegalidade. No final do governo JK, os comunistas apoiariam a candidatura nacionalista do Marechal Lott, derrotado nas eleições presidenciais por Jânio Quadros. Nessa atmosfera, recrudesce a polarização entre setores conservadores e democrático-populares. 

A CAMPANHA DA LEGALIDADE

Em 1961, Jânio Quadros renuncia à Presidência da República. A negativa da cúpula militar em dar posse ao vice-presidente João Goulart deflagra grave crise política. Tem início o movmento em defesa da legalidade. Goulart conseguiria assumir a Presidência, embora com poderes limitados pela adoção do sistema parlamentarista.