Notícias

Estreia a peça Dez Dias que Abalaram o Mundo no Rio

Divulgação Publicado em 10.10.2017

Em cartaz de 15 a 30 de outubro, a peça que celebra o centenário da Revolução Russa está no Armazém 6 da Orla Conde, no região portuária do Rio de Janeiro. O coletivo teve dificuldades para financiar a peça, que está ameaçada de encerrar temporada com estas poucas apresentações.

Foto: Palco do Armazém da Utopia ocupa todo um armazem portuário com a peça épica.

 

Tem manifestações populares e tem também 1ª Guerra Mundial. Tem Lênin, tem Bolcheviques, foice e martelo. A nova peça da Companhia Ensaio Aberto, do Armazém da Utopia, é uma homenagem aos 100 anos da Revolução Russa de 1917: Dez Dias que Abalaram o Mundo. Em cartaz de 15 a 30 de outubro, a apresentação é uma adaptação livre de um dos primeiros livros-reportagens de mesmo nome. A direção é de Luiz Fernando Lobo que também comemora os 25 anos da companhia.

O espetáculo é focado nos acontecimentos que levaram à tomada do poder pelos bolcheviques na Revolução Russa. Os artistas da Companhia Ensaio Aberto partem dos documentos da Revolução Russa e do que o evento representou para classe trabalhadora.  E a história é narrada segundo a experiência do jornalista americano John Reed, autor do livro, ao cobrir os eventos e como ele se tornou um defensor do novo governo russo, inclusive divulgando as ideias revolucionárias nos Estados Unidos.

“A Revolução Russa foi a maior vitória da classe operária. O momento mais radical de democracia, onde os trabalhadores se organizaram e conseguiram vitórias históricas, como a jornada de trabalho de 8 horas. Contar a revolução russa é contar que só a luta forma para a luta. É reabrir o passado para pensar o futuro”, diz o diretor Luiz Fernando Lobo.

Durante um ensaio aberto da peça “Dez dias que abalaram o mundo”, com o trabalho ainda sendo instalado, os espectadores fizeram uma breve viagem a cem anos, nas ruas do bairro de Viborg, na Petrogrado russa.

A fome, a angústia da operária russa grávida que deve amarrar a barriga para não perder o emprego, o soldado que deve atirar sem olhar nos olhos de seu morto. Em um simples ensaio, numa pequena amostra, sob as “Vivas” de soldados e operários, a histórica companhia de teatro carioca Ensaio Aberto envolveu o público, que participava em pé, surpreendida pelos tiros e pelo fluxo do elenco que colocava cara a cara com a revolução ou, quem sabe,  com um Lenin ou Trotsky muito bem caracterizados.

Colocava ao público a decisão, em meio à penumbra do inverno russo, desviar para a esquerda, para a direita, ou ser atropelado pela História da peça.

Mas, a trupe de revolucionários da companhia Ensaio Aberto enfrenta o desafio de encenar a revolução de 100 anos em tempos de golpe e crise no Brasil. A fabulosa peça está ameaçada de parar por falta de investimentos. A companhia, ao fim do ensaio, convocou o público para o real objetivo da pequena amostra, buscar a ajuda da esquerda para esse impasse.

Os espectadores eram vários e várias militantes de esquerda, partidos como PSOL, PT, PCdoB, parlamentares e sindicatos. Imbuído pelo ar revolucionário do ato, o diretor Luiz Fernando Lobo destacava que “a esquerda deve manter a esquerda” e que “não vamos ficar reféns de uma lei Rouanet que capita recursos de acordo com o interesse das empresas”.

Qualquer um pode contribuir para que o espetáculo aconteça. Entre em contato, fale com sua organização e veja como pode ajudar, ou convidar a companhia para a sua cidade, ou local de trabalho.

Basta entrar em contato pelo e-mail: Lobo@ensaioaberto.com


FICHA TÉCNICA
Direção e Dramaturgia: Luiz Fernando Lobo
Direção de Produção: Tuca Moraes
Cenografia e Espaço Cênico: J.C. Serroni
Videografia: Batman Zavareze
Iluminação: Cesar de Ramires com a colaboração de Jorginho de Carvalho
Figurino: Beth Filipecki e Renaldo Machado
Trilha Original e Direção Musical: Felipe Radicetti
Produção Executiva: Renata Stilben e Roberta Mello
Assistente de Direção e Dramaturgia: Dieymes Pechincha
Atores Companhia Ensaio Aberto:
Adriano Soares, Alarisse Mattar, Amaury Lorenzo, Amparo de Gata, Ana Karenina Riehl, Andrea Tonia, Brenda Jací, Bruno Peixoto, Cleiton Rasga, Fernanda Vizeu, Henrique Juliano, Gabriela Igarashi, Gé Lisboa, Geovane Barone, Gilberto Miranda, João Raphael Alves, Leonardo Hinckel, Luiz Fernando Lobo, Luiza Moraes, Nady Oliveira, Natalia Gadiolli, Peter Boos, Tuca Moraes, Vinícius Oliveira e Yani Patuzzo.

SERVIÇO

Temporada: De 15 de outubro até 30 de outubro de 2017
Horário: Sexta, domingo e segunda às 19h. Sábado às 20h
Local: Armazém da Utopia
Endereço: Orla Conde - Armazém 6
Preço: R$ 50 (inteira) R$ 25 (meia). Antecipado R$ 30 (inteira) R$ 15 (meia)
Classificação: 12 anos
Duração: 120 minutos
Capacidade: 800 lugares
Informações: publico@ensaioaberto.com – 22538726 / 25164893/ 98909-2402