Notícias

Paulo Fonteles Sem Ponto Final é lançado no Rio

Clarice Manhã Publicado em 05.05.2018

Militantes, amigos e familiares se reuniram na noite desta sexta-feira no lançamento carioca da biografia Paulo Fonteles Sem Ponto Final, na Casa Pública, filial da Agência Pública de Jornalismo Investigativo, em Botafogo. O encontro foi marcado pela emoção e reafirmação do público presente com a história, memória e luta pelos Direitos Humanos.

A obra narra a trajetória do líder estudantil, preso político, advogado de trabalhadores rurais e grande defensor dos diretos humanos, assassinado brutalmente em 1987 no Estado do Pará. O autor Ismael Machado conta que durante quatro meses fez uma imersão sobre a vida de Fonteles. Além da intensa pesquisa neste período, contou com seu repertório pessoal para compor o trabalho. “Este livro não apenas marca os 30 anos da morte de Paulo Fonteles, mas também contextualiza o período da ditadura militar com um olhar amazônico”, explica Machado.

Paulo Fonteles Filho (falecido em outubro de 2017) e o jornalista Ismael Machado visitaram contempora?neos de Paulo Fonteles no sul e sudeste paraense, onde ocorreram os conflitos pelos quais o advogado atuou politicamente. Escritor e jornalista ha? mais de 20 anos, o autor entrevistou 50 pessoas, e avalia que a luta do militante deu frutos na forma de sindicatos rurais e grupos que resistem a? pressa?o ruralista nos dias de hoje.

O presidente da Fundação Maurício Grabois, Renato Rabelo, conviveu pessoalmente com Fonteles, e afirma que o livro traz uma narrativa forte e fiel à história do homenageado. “Foi como ver o Paulo vivo na minha frente. A sua morte, logo após a redemocratização foi um grande golpe para nós, porque ele era parte do quadro que estava refazendo nosso partido após tantas perdas”.

Para o diretor do Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, Pedro Fonteles, a obra tem grande relevância por trazer para o cenário nacional esta personalidade icônica do Norte do país. Ele ressalta que mesmo após 31 anos do atentado, do ponto de vista político, as ideias e o legado do Paulo ainda se fazem atuais no Brasil. “É impossível não citar o assassinato recente da vereadora Marielle, que teve características parecidas com o crime contra o meu pai. As causas pelas quais ele lutava permanecem até hoje. Não conseguimos superar a maioria dos problemas ligados a formação do nosso povo. Mas não vão nos calar”.

Ávida pela leitura, a deputada federal Jandira Feghali, calcula que vai concluir a obra em menos de uma semana. “Todo livro que retrata com fidelidade a luta de seu personagem, inserido no contexto histórico e político presta um grande serviço ao País. Precisamos de nossa memória para ser uma nação forte”, enfatiza. O presidente estadual do PCdoB, João Batista, complementa que a biografia é um verdadeiro testemunho sobre um homem que deu a vida pelo povo brasileiro. “Ele lutou pela liberdade”, lembra emocionado.

No cenário atual de crise, golpe e ataques aos direitos humanos, a história do militante é um exemplo a ser seguido e uma fonte de inspiração aos mais jovens, avalia o vereador Leonardo Giordano, pré-canditado ao governo do Rio pelo PCdoB. “Fonteles é um herói do povo brasileiro, e esse resgate histórico se faz muito necessário nesta época em que temos poucas referências”.

Organizador do evento, o secretário geral do Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, Moises Alves, finalizou o lançamento sob aplausos, e declarou que este livro, mais que uma biografia e uma homenagem, é um instrumento de Justiça. “Esta jornada de lançamentos pelo país tem formado uma rede de defensores dos direitos humanos e a continuação da luta que Fonteles iniciou”.