Notícias

Situação do trabalho e das microempresas é tema de debate

Cezar Xavier Publicado em 12.06.2020

Sociólogos e economistas avaliam o avanço do trabalho informal, do desemprego e da proteção a pequenas empresas durante a pandemia, com a total omissão do governo federal, que segue no sentido oposto, avançando com a agenda neoliberal.

Nesta terça-feira (9), foi transmitida ao vivo a conferência O Mundo do Trabalho e a Pandemia, como parte do ciclo Diálogos, Vida e Democracia, promovido pelo Observatório da Democracia. Sob a coordenação de Francisvaldo Souza, presidente da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco (FLC-MF do PSol), o evento ainda tem a participação de outras sete fundações partidárias Maurício Grabois (PCdoB), Perseu Abramo (PT), Leonel Brizola-Alberto Pasqualini (PDT), João Mangabeira (PSB), Ordem Social (PROS), Claudio Campos (PPL) e Astrojildo Pereira (PPS).

A teleconferência trouxe Clemente Ganz Lúcio, sociólogo, assessor das Centrais Sindicais e ex-diretor técnico do DIEESE; Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Ricardo Antunes, sociólogo e professor da Unicamp e Mauro Oddo Nogueira, pesquisador do IPEA, especialista em microempresas e economia informal.

Confira como foram os debates:

Pandemia é nova etapa de exclusão estrutural dos sindicatos
Para sociólogo, o projeto de Paulo Guedes visa fragilizar ainda mais os sindicatos, excluindo-os de negociações pelo emprego, assim como gerando mais desemprego e informalidade. Centrais se unificam para propor protocolos mínimos de proteção aos trabalhadores e empresas, durante a pandemia e com reabertura econômica.

A pandemia é um laboratório de experimentações contra o trabalhador
Para sociólogo, a uberização se acentua durante a pandemia, como uma experiência de informalização total do trabalho. O proletariado deixa de ser trabalhador para ser prestador de serviço num ambiente informal de profunda exploração.

Se fosse possível salvar a economia, sem as vidas, não haveria sentido
A dicotomia entre salvar as vidas ou salvar a economia em meio à pandemia, é falsa e sem sentido, diz economista. Não dá para a economia prosperar quando todos temem a morte, nem faz sentido salvar a economia, quando o sentido dela é ser desfrutada pelas vidas que se perdem.

Brasil tinha tempo, SUS e integração, ativos que Bolsonaro desperdiçou

Ex-ministra Tereza Campello diz que a crise no mundo do trabalho não é por causa da pandemia, mas por omissão do Governo Federal. Ela condena inação do governo na defesa dos trabalhadores formais, informais e das pequenas empresas. “Parece incompetência, mas não é.”

 

Onde: Acompanhe as webconferências do Ciclo Diálogos, Vida e Democracia, no Facebook, pelas páginas das Fundações Astrojildo Pereira, Claudio Campos, Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, Perseu Abramo, Lauro Campos e Marielle Franco, Mauricio Grabois, da Ordem Social e João Mangabeira.

Ou se inscreva no canal do Observatório da Democracia no Youtube

A programação completa pode ser acessada aqui