Prosa@Poesia

Poema, apenas.

Paulo Fonteles Filho Publicado em 01.08.2011

Poema, apenas.

Madrugada araguaiana em minhas mãos
e sóis, milhares deles, saltam
para a vida que amanhece.

Fui contigo, mãos dadas,
quando respirei teus olhos
e suspenso
fui por teus caminhos serenos.

Tempo, apenas.

Estás como distante
e sigo meu curso,
nau revolta,
pedras pontiagudas do rio.

Poema, apenas.

Nas noites onde respiro tumultos
viestes como ave
imaginária
dizer-me, intíma,
das esperanças que a seiva ensina às matas.

Virás, palavra orvalhada,
clarear mãos
e madrugadas?



Paulo Fonteles Filho