Prosa@Poesia

Açúcar

Amélia Alves Publicado em 06.03.2009

*

é verde e veio
de cana caiana
sangrando
o suco operário
de muitos suores
e caldos
melados
fermentos
cachaça
melaço
e canaviais
roçados
de calos
nos pés e nas mãos
e bóia fria
marmita
— aceiros intermináveis
e joios e pedras
e foices
e folhas secas
estalando miséria.

 

Fonte: poesia. Net (262)