Prosa@Poesia

Alemanha

Bertolt Brecht Publicado em 30.03.2007

*

Que outros falem da sua vergonha
eu falo da minha.

Ó Alemanha, pálida mãe!
Como apareces manchada
Entre as nações.
Entre os imundos
Te destacas

De teus filhos o mais pobre
Jaz abatido.
Quanto sua fome era grande
Teus outros filhos
Ergueram a mão contra ele.
Isto ficou notório.

Com as mãos assim erguidas
Erguidas contra seu irmão
Passeiam insolentes à tua volta
E riem na tua cara
Isto é sabido.

Em tua casa
Grita-se alto a mentira
Mas a verdade
Tem que calar.
Então é assim?

Por que te louvam os opressores em roda, mas
Os oprimidos te acusam?
Os explorados
Te apontam com o dedo, mas
Os exploradores elogiam o sistema
Engenhado em tua casa!

E nisso te vêem todos
Esconderes a barra do vestido, ensangüentada
Do sangue do teu
Melhor filho.

Ouvindo as falas que vêm da tua casa, rimos.
Mas quem te vê, corre a pegar a faca
Como à vista de um facínora.

Ó Alemanha, pálida mãe!
Como te trataram teus filhos.
Que assim apareces entre os povos
Um escárnio e um pavor!

 


Brecht Poemas 1913 – 1956
Seleção e Tradução de Paulo César Souza
3ª edição – Editora Brasiliense