Artigos

A mudança climática é uma questão de justiça

Sonja Klinsky Publicado em 04.11.2021

As pessoas que mais sofrem com os efeitos das mudanças climáticas são aquelas que menos fizeram para causá-las. Gráficos revelam quem causa e quem sofre.

As enchentes nas ruas se tornaram um problema comum em algumas comunidades.

A mudança climática atingiu o mundo em 2021 com ondas de calor recordes , secas , incêndios florestais e tempestades extremas. Freqüentemente, as pessoas que mais sofrem com os efeitos das mudanças climáticas são aquelas que menos fizeram para causá-las.

Para reduzir a mudança climática e proteger aqueles que são mais vulneráveis, é importante entender de onde vêm as emissões, quem a mudança climática está prejudicando e como esses padrões se cruzam com outras formas de injustiça.

Eu estudo os dilemas da justiça apresentados pelas mudanças climáticas e pelas políticas climáticas, e estive envolvido nas negociações internacionais sobre o clima como observador desde 2009. Aqui estão seis gráficos que ajudam a explicar os desafios.

De onde vêm as emissões

Uma maneira comum de pensar sobre a responsabilidade de um país pelas mudanças climáticas é examinar suas emissões de gases de efeito estufa per capita, ou por pessoa.

Por exemplo, a China é atualmente o maior emissor de gases de efeito estufa por país. No entanto, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Austrália e Canadá têm, todos, mais do que o dobro das emissões per capita da China. E cada um deles tem mais de 100 vezes as emissões per capita de vários países da África.

Emissões anuais de dióxido de carbono produzidas per capita. A África produziu cerca de 1,1 toneladas por pessoa em 2019, bem abaixo da taxa global de 4,7. Os EUA produziram 16,1 toneladas per capita.

Essas diferenças são muito importantes do ponto de vista da justiça.

A maioria das emissões de gases de efeito estufa vem da queima de combustíveis fósseis para gerar energia, lojas, casas e escolas e produzir bens e serviços, incluindo alimentos, transporte e infraestrutura, para citar apenas alguns. 

À medida que as emissões de um país aumentam, elas ficam menos vinculadas ao essencial para o bem-estar humano. As medidas de bem-estar humano aumentam muito rapidamente com aumentos relativamente pequenos nas emissões, mas depois se estabilizam. Isso significa que os países com altas emissões poderiam reduzir suas emissões significativamente sem reduzir o bem-estar de suas populações, enquanto os países de baixa renda e baixas emissões não podem.

Como o aumento das emissões intersecciona com o desenvolvimento humano. Países com baixo desenvolvimento humano também têm as mais baixas emissões per capita de dióxido de carbono, a maioria na África. As maiores emissões são liderados pelo Qatar.

 

Os países de baixa renda vêm argumentando há anos que, em um contexto em que as emissões globais devem ser drasticamente reduzidas no próximo meio século , seria injusto exigir que eles cortassem investimentos essenciais em áreas nas quais os países mais ricos já investiram, como o acesso à eletricidade, educação e cuidados básicos de saúde, enquanto os que vivem nos países mais ricos continuam a desfrutar de estilos de vida com alto consumo de energia e bens de consumo.

Responsabilidade por décadas de emissões

Observar apenas as emissões atuais deixa de lado outro aspecto importante da injustiça climática: as emissões de gases do efeito estufa se acumulam com o tempo. 

O dióxido de carbono permanece na atmosfera por centenas de anos e esse acúmulo impulsiona as mudanças climáticas. O dióxido de carbono retém o calor , aquecendo o planeta. Alguns países e regiões têm muito mais responsabilidade pelas emissões cumulativas do que outros.

Por exemplo, os Estados Unidos emitiram mais de um quarto de todos os gases de efeito estufa desde 1750, enquanto todo o continente africano emitiu apenas cerca de 3% .

Quem contribuiu mais pelas emissões globais de CO2? 

Gráfico de caixa mostrando quais países e continentes tiveram mais emissões ao longo do tempo
Emissões cumulativas, 1751-2017, por país. Hannah Ritchie / Nosso mundo em dados , CC BY

As pessoas hoje continuam a se beneficiar da riqueza e da infraestrutura geradas com energia associada a essas emissões décadas atrás.

Diferenças de emissões dentro dos países

Os benefícios dos combustíveis fósseis também têm sido desiguais dentro dos países. 

Dessa perspectiva, pensar sobre justiça climática requer atenção aos padrões de riqueza . Um estudo do Stockholm Environment Institute e da Oxfam descobriu que 5% da população mundial foi responsável por 36% dos gases de efeito estufa de 1990-2015. A metade mais pobre da população era responsável por menos de 6%.

Quem tem responsabilidade pelo crescimento das emissões de carbono. De 1990 a 2015, 5% da populaç˜ào global foi responsável por 36% do crescimento das emissões globais. Juntos, os 10% mais ricos foram responsáveis por quase metade do crescimento das emissões.

Gráfico de barras mostrando as emissões por classificação de riqueza, com os 5% principais emitindo significativamente mais do que qualquer outro grupo.
Parcela do crescimento das emissões por classificação de riqueza. Instituto Ambiental de Estocolmo e Oxfam , CC BY-ND

Esses padrões estão diretamente relacionados à falta de acesso à energia pela metade mais pobre da população mundial e ao alto consumo dos mais ricos por meio de viagens aéreas de luxo, segundas residências e transporte pessoal. Eles também mostram como as ações de alguns grandes emissores podem reduzir o impacto climático de uma região. 

Da mesma forma, mais de um terço das emissões globais de carbono de combustíveis fósseis e cimento na última metade do século pode ser atribuído diretamente a 20 empresas , principalmente produtoras de petróleo e gás. Isso chama a atenção para a necessidade de desenvolver políticas capazes de responsabilizar as grandes corporações por seu papel nas mudanças climáticas.

20 empresas são responsáveis por um terço das emissões de gases de combustíveis fósseis e cimento em 2018.

Quem será prejudicado pelas mudanças climáticas? 

Entender de onde vêm as emissões é apenas parte do dilema da justiça climática. Os países e regiões pobres também enfrentam maiores riscos com as mudanças climáticas.

Alguns pequenos países insulares, como Tuvalu e as Ilhas Marshall , enfrentam ameaças à sua própria sobrevivência à medida que o nível do mar sobe. Partes da África Subsaariana , o Ártico e as regiões montanhosas enfrentam mudanças climáticas muito mais rápidas do que outras partes do mundo. Em partes da África, as mudanças na temperatura e na precipitação estão contribuindo para as preocupações com a segurança alimentar .

Muitos desses países e comunidades têm pouca responsabilidade pelas emissões cumulativas de gases de efeito estufa que impulsionam as mudanças climáticas. Ao mesmo tempo, eles têm o mínimo de recursos disponíveis para se proteger.

Os países mais vulneráveis diante da mudança climática (segurança alimentar, disponibilidade de água, saúde e bem estar, infraestrutura e serviços, como energia):

Os impactos climáticos - como secas, inundações ou tempestades - afetam as pessoas de maneiras diferentes, dependendo de sua riqueza e acesso aos recursos e de seu envolvimento na tomada de decisões. Os processos que marginalizam as pessoas, como a injustiça racial e o colonialismo, significam que algumas pessoas em um país ou comunidade têm mais probabilidade do que outras de se protegerem dos danos climáticos.

Estratégias para um acordo climático justo

Todas essas questões de justiça são centrais para as negociações na conferência climática das Nações Unidas em Glasgow e além.

Muitas discussões se concentrarão em quem deve reduzir as emissões e como as reduções dos países pobres devem ser apoiadas. Investir em energia renovável, por exemplo, pode evitar emissões futuras, mas os países de baixa renda precisam de ajuda financeira.

Os países ricos têm demorado a cumprir seu compromisso de fornecer US $ 100 bilhões por ano para ajudar os países em desenvolvimento a se adaptarem às mudanças climáticas, e os custos de adaptação continuam aumentando.

Alguns líderes também estão fazendo perguntas difíceis sobre o que fazer diante de perdas que não podem ser desfeitas . Como a comunidade global deve apoiar as pessoas que estão perdendo suas pátrias e modos de vida? 

Algumas das questões mais importantes do ponto de vista da justiça devem ser tratadas localmente e dentro dos países. O racismo sistêmico não pode ser tratado em nível internacional. A criação de planos locais e nacionais para proteger as pessoas mais vulneráveis, além de leis e outras ferramentas para responsabilizar as empresas, também precisará acontecer dentro dos países. 

Essas discussões continuarão por muito tempo após o término da conferência de Glasgow.

 

Sonja Klinsky é professora associada e cientista sênior global de futuros da Universidade Estadual do Arizona

Traduzido por Cezar Xavier