Especiais

Haroldo Lima: A formação faz do PCdoB o sal da luta revolucionária

Joanne Mota Publicado em 29.01.2013

"Características da economia chinesa na atualidade". Esse foi o tema da aula ministrada por Haroldo Lima, ex-diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Brasil e membro do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), nesta segunda-feira (28), no Curso Nacional Nível III, realizado pela Escola Nacional de Formação.

De forma didática, Haroldo Lima esquadrinhou o cenário político, social e econômico da China, sua posição frente às demais nações e as contribuições que podem ser tiradas como lições para o Brasil. Além disso, destacou o avanço da China no mundo e sua ascensão frente às nações capitalistas. E frisou: “Entender o que ocorre na China, bem como o que ocorre no mundo, é fundamental para a nossa luta. E a formação está no cerne desse processo”.

Valorizar os quadros é valorizar o PCdoB

Em entrevista, Haroldo explicou que o esforço do Partido em fomentar a formação dos quadros e lideranças dos movimentos sociais é fundamental, pois, segundo ele, o Partido não teria fôlego para enfrentar as grandes tarefas da luta política se não tivesse a par dos fundamentos necessários para o embate político.

“Sem formação não conseguiríamos dar conta de empreender a luta pela implantação do projeto nacional de desenvolvimento. A formação assume o papel central na construção da consciência política, que torna clara a nossa missão, especialmente do percurso a ser trilhado, das dificuldades a serem enfrentadas e dos nossos objetivos para a transformação do país”.

Segundo ele, o curso também torna-se fundamental para entender os modelos políticos atuais, sobretudo entender o que é o socialismo, qual a sua razão de ser e como este pode contribuir para a transição ao comunismo.

“Estes encontros possibilitam problematizar os modelos vigentes no mundo, quais experiências estão sendo realizadas, o que representou e representa o modelo socialista, por exemplo. Faz-nos questionar sobre como utilizar isso para a nossa luta”. E questiona: "O socialismo ainda existe? Como ele pode contribuir para a transformação que almejamos?”.

A partir disso, o dirigente frisa: “Não dá para nossos companheiros, bem como os movimentos sociais, defenderem que são socialistas e marxistas se não dominarem estes conceitos de forma ampla. A luta política exige isso e o fortalecimento de nossas frentes, especialmente do PCdoB, passa por esta exigência. Por isso a formação é tão central”.

Sal no fermento

Haroldo diz que a militância comunista precisa se tornar o sal no fermento que é o movimento progressista e de esquerda em curso.

“Quem dá a consistência nesse fermento, que é o que consideramos o movimento de esquerda e progressista, é o sal, são os comunistas. E os comunistas só darão essa consistência no momento que eles tiverem consistência em sua luta e desafios. Além disso, nossos companheiros comunistas precisam ter domínio da ideologia e dos preceitos necessários para o fortalecimento do projeto defendido pelo PCdoB, e a formação torna-se central nesse processo”, pontuou o dirigente.

Na oportunidade, o dirigente destacou que o esforço do PCdoB em investir em formação com objetivo de formar quadros é fundamental, "especialmente quando observamos que a nossa luta é travada em um país de limites continentais".

“Reconhecemos que é fundamental o investimento em formação, sabemos do esforço do PCdoB, mas também sabemos que é preciso ampliar e valorizar ainda mais essa área do Partido, pois precisamos vencer as distâncias do nosso país e levar para cada canto os ideais e o projeto do PCdoB. É preciso interiorizar estes cursos, de forma a multiplicar o que neste momento ocorre aqui em Atibaia”, opinou Haroldo.

O comunista parabenizou não só a Escola  Nacional pelo trabalho desenvolvido no país, mas também a Fundação Maurício Grabois pela dinamicidade e uso de ferramentas que garantem o fortalecimento e o aprofundamento do debate politico por parte dos quadros comunistas. Ele ressalta que este esforço torna-se central para a própria continuidade da luta iniciada há 90 anos pelo PCdoB.

Haroldo lembra que o PCdoB é uma força eminentemente diferente de todas as demais. E destaca: “o PCdoB é a única força verdadeiramente marxista no Brasil. É provavelmente o único Partido que fomenta esse processo de formação, que tem o compromisso de, através do estudo, do alinhamento da teoria com a prática, alimentar nossos companheiros e companheiras para o processo revolucionário, só isso já deixa claro qual é o nosso compromisso, e sinaliza nosso desafio no processo de mudança do nosso país".