Notícias

Linha do tempo: 20 anos de prisão na Baía de Guantánamo

Traduzido por Cezar Xavier Publicado em 10.01.2022

Ao completar vinte anos de arbitrariedades jurídicas e abusos dos direitos humanos, o presidente dos EUA, Joe Biden, diz que quer fechar a polêmica instalação em Cuba, mas os planos de expansão estão em andamento. A AlJazira relembra os fatos mais conhecidos envolvendo a infame prisão.

Os primeiros prisioneiros chegaram ao campo de Raio-X, atualmente abandonado

O dia 11 de janeiro marca 20 anos desde a abertura da Baía de Guantánamo, a infame prisão norte-americana localizada em Cuba que, segundo os críticos, permite que os detidos sejam mantidos indefinidamente fora das leis normais ou da supervisão judicial.

 

Produto da chamada “guerra ao terror”, o presidente dos EUA, Joe Biden, assim como seu antecessor Barack Obama, havia dito que queria fechar a instalação. Em vez disso, será expandida sob o governo Biden com um novo tribunal de US$ 4 milhões a ser construído este ano, informou o New York Times.

 

Nas últimas duas décadas, 780 homens passaram pela instalação, que foi criada após os ataques de 11 de setembro de 2001. Hoje, a instalação abriga 39 homens, de acordo com divulgações do Conselho de Revisão Periódica interagências do governo dos EUA feitas em outubro.

 

“Estas detenções estão inevitavelmente ligadas a várias camadas de conduta ilegal do governo ao longo dos anos – transferências secretas, interrogatórios incomunicáveis, alimentação forçada de grevistas, tortura, desaparecimento forçado e uma completa falta de processo legal”, disse Daphne Eviatar, da Anistia Internacional em um comunicado.

 

Relembre alguns eventos importantes ao longo de 20 anos de controvérsia em torno do centro de detenção da Baía de Guantánamo.

 

13 de novembro de 2001 : George W Bush, o presidente dos EUA, emite uma ordem militar sobre a “Detenção, Tratamento e Julgamento de Certos Não Cidadãos, na Guerra Contra o Terrorismo”. A ordem autoriza os EUA a manter cidadãos estrangeiros sob custódia sem acusação por tempo indeterminado e os impede de realizar qualquer processo legal para contestar sua detenção.

  

28 de dezembro de 2001 : Um memorando do Departamento de Justiça dos Estados Unidos ao Pentágono explica que os prisioneiros detidos na Baía de Guantánamo não são elegíveis para direitos de habeas corpus que protegem contra detenções arbitrárias porque não estão em solo americano.

 

11 de janeiro de 2002 : Os primeiros 20 detidos chegam ao Campo de Raios-X da Baía de Guantánamo e são mantidos ao ar livre em gaiolas de malha de arame.

 

18 de janeiro de 2002 : O Comitê Internacional da Cruz Vermelha começa a visitar prisioneiros na Baía de Guantánamo. No mesmo dia, o governo Bush determina que os prisioneiros de Guantánamo não se qualificam como prisioneiros de guerra e não têm direito à proteção da Convenção de Genebra.

 

27 de janeiro de 2002 : Dick Cheney, o vice-presidente dos EUA, descreve os prisioneiros como “o pior de um grupo muito ruim”, acrescentando que: “Eles são muito perigosos. Eles são dedicados a matar milhões de americanos.”

 

21 de fevereiro de 2002: Um juiz federal dos EUA rejeita uma contestação à detenção de prisioneiros na Baía de Guantánamo apresentada pelo Centro de Direitos Constitucionais, um grupo de advocacia.

 

21 de março de 2002 : A administração Bush anuncia novos regulamentos do tribunal militar.

  

5 de abril de 2002 : O prisioneiro Yaser Esam Hamdi é transferido de Guantánamo para custódia militar no continente depois que se descobre que ele nasceu no estado americano de Louisiana.

 

25 de abril de 2002 : A construção do novo Campo Delta, uma prisão permanente com capacidade para mais de 400 pessoas, é concluída.

 

1º de agosto de 2002 : Um memorando do Departamento de Justiça ao então conselheiro da Casa Branca, Alberto Gonzales, informa que o presidente pode autorizar uma ampla gama de “técnicas de interrogatório aprimoradas” que não equivalem a tortura e, portanto, não podem ser processadas sob a lei dos EUA. Mesmo que a tortura tenha ocorrido, argumenta o memorando, a teoria da “necessidade” ou “autodefesa” poderia ser usada para eliminar qualquer responsabilidade criminal.

 

15 de setembro de 2002 : Um prisioneiro, Abdul Razaq, torna-se o primeiro detento a ser repatriado para o Afeganistão.

 

2 de dezembro de 2002 : Donald Rumsfeld, secretário de Defesa dos EUA, aprova uma série de técnicas de interrogatório para uso em Guantánamo, incluindo privação sensorial, isolamento, posições de estresse e o uso de cães para “induzir o estresse”.

  

11 de março de 2003 : Um tribunal federal de apelações determina que os detidos de Guantánamo não têm direitos legais nos Estados Unidos.

 

Maio de 2003 : A população carcerária de Guantánamo chega a 680 detentos.

 

9 a 14 de maio : Dezessete prisioneiros são repatriados para o Paquistão, Afeganistão e Arábia Saudita.

 

3 de julho de 2003 : Bush designa seis supostos membros da Al-Qaeda elegíveis para os primeiros tribunais militares desde a Segunda Guerra Mundial.

 

9 de outubro de 2003 : A Cruz Vermelha alerta para a “deterioração da saúde psicológica de um grande número de detentos”.

 

10 de novembro de 2003 : A Suprema Corte dos EUA concorda em ouvir apelações no caso de Guantánamo sobre se os presos têm o direito de acessar tribunais civis para contestar sua detenção indefinida.

 

3 de dezembro de 2003 : David Hicks se torna o primeiro prisioneiro de Guantánamo a receber um advogado.

 

Manifestantes, vestidos como detentos da Baía de Guantánamo, marcham em frente ao prédio do Capitólio em Capitol Hill, em Washington.

 

12 de janeiro de 2004 : Cinco advogados militares designados para defender os detidos dizem acreditar que algumas das regras elaboradas pelos tribunais militares são inconstitucionais.

 

23 de fevereiro de 2004 : A administração Bush apresenta as primeiras acusações contra os detidos. Ali Hamza al-Bahlul, do Iêmen, e Ibrahim al-Qosi, do Sudão, são acusados ??de conspiração para cometer crimes de guerra.

 

28 de junho de 2004 : A Suprema Corte determina que os tribunais federais têm autoridade para decidir se cidadãos não americanos detidos na Baía de Guantánamo são presos injustamente e que o poder executivo não tem o poder de manter indefinidamente um cidadão americano sem o devido direito básico, proteções processuais executáveis ??por meio de revisão judicial.

 

7 de julho de 2004 : O Pentágono lança painéis militares, conhecidos como Tribunais de Revisão do Status do Combatente ou CSRTs, para determinar o status de “combatente inimigo” de cada prisioneiro.

 

13 de agosto de 2004: Começam os tribunais de revisão.

 

27 de outubro de 2004 : Quatro ex-detentos britânicos iniciam uma ação legal contra o governo dos EUA. No primeiro caso desse tipo, Rasul, Iqbal, Ahmed e al Harith exigem US$ 9 milhões como compensação por suposta tortura e outras violações de direitos humanos. O Pentágono declara que os homens não têm direito a pagamento porque foram capturados “em combate”.

 

8 de novembro de 2004 : O juiz distrital dos EUA James Robertson ordena a suspensão das comissões militares, dizendo que elas são ilegais e não podem continuar em sua forma atual.

 

uma bandeira americana é vista através do arame farpado na torre de controle na Baía de Guantánamo

 

29 de março de 2005 : O processo CSRT é concluído. Dos 558 detidos avaliados, 38 foram julgados como “não mais combatentes inimigos” e foram liberados.

 

19 de abril de 2005 : A Associated Press lança uma ação legal contra o Departamento de Defesa dos Estados Unidos na tentativa de forçar a divulgação de transcrições e outros documentos relacionados às audiências militares de Guantánamo.

 

20 de maio de 2005 : O processo da Associated Press resulta na liberação de quase 2.000 páginas de documentos, embora os nomes e nacionalidades dos detidos tenham sido apagados. Os documentos incluem trechos de depoimentos de presos.

 

15 de julho de 2005 : A ordem do juiz Robertson de suspender as comissões militares é anulada pelo Tribunal de Apelações dos EUA para o Tribunal do Circuito do Distrito de Columbia.

 

29 de agosto de 2005 : O juiz distrital dos EUA Jed Rakoff ordena que o governo pergunte a cada prisioneiro se eles querem que informações pessoais que possam ser usadas para identificá-los sejam divulgadas à Associated Press. Dos 317 detentos que receberam o formulário, 63 disseram que sim, 17 disseram que não, 35 devolveram o formulário sem responder e 202 não devolveram o formulário.

 

10 de novembro de 2005 : O Senado dos Estados Unidos aprova uma emenda que continua a reter o direito dos prisioneiros de apresentar petições de habeas corpus.

 

30 de dezembro de 2005 : A Lei de Tratamento de Detentos entra em vigor. A lei proíbe o uso de tratamento cruel, desumano ou degradante de prisioneiros, mas restringe severamente seu direito de contestar sua detenção.

 

Desde 11 de janeiro de 2002, pelo menos 780 detidos de 48 países estão detidos na Baía de Guantánamo.  Apenas 16 foram acusados ??de crimes, de acordo com a HRW.
Detidos em Guantanamo têm nacionalidade de 48 países

 

15 de fevereiro de 2006 : Relatório da ONU recomenda o fechamento de Guantánamo.

 

23 de fevereiro de 2006 : O Pentágono é ordenado a liberar as identidades de centenas de prisioneiros de Guantánamo para a Associated Press como resultado de seu processo pela Lei de Liberdade de Informação.

 

28 de março de 2006 : A Suprema Corte dos EUA ouve argumentos orais em Hamdan v Rumsfeld, um caso que contesta a legalidade das detenções na Baía de Guantánamo sob a Convenção de Genebra sobre as leis da guerra e o Código Militar de Justiça Uniforme dos EUA.

 

20 de abril de 2006 : O Departamento de Defesa divulga os nomes de 558 pessoas detidas na Baía de Guantánamo.

 

Maio de 2006 : Continuam as repatriações de detidos para países da Europa, Médio Oriente, Ásia e África. Dois detentos de Guantánamo tentam suicídio e um motim eclode em reação ao evento.

 

10 de junho de 2006 : Os cidadãos da Arábia Saudita Mani Shaman Turki al-Habardi al-Utaybi e Yasser Talal al-Zahrani, e Ali Abdullah Ahmed do Iêmen, morrem por suicídio aparente.

 

29 de junho de 2006 : A Suprema Corte determina que as comissões militares do governo Bush violam as leis da guerra e as convenções internacionais. O tribunal também reitera que os detidos podem processar os casos em tribunais civis.

 

12 de julho de 2006 : Bush revoga sua diretiva de fevereiro de 2002 e aceita que as Convenções de Genebra se apliquem aos detidos.

 

6 de setembro de 2006 : Quatorze detentos de “alto valor” são transferidos para Guantánamo de locais secretos.

 

26 de setembro de 2006 : A Cruz Vermelha envia uma delegação a Guantánamo para se encontrar com os 14 prisioneiros recém-transferidos.

 

17 de outubro de 2006 : O presidente Bush sanciona a Lei das Comissões Militares. A lei retira a jurisdição dos tribunais dos EUA para ouvir recursos de habeas corpus de qualquer cidadão estrangeiro mantido como “combatente inimigo” sob custódia dos EUA em qualquer lugar do mundo. Também restringe o escopo da Lei de Crimes de Guerra, ao não criminalizar expressamente a proibição do Artigo 3º de julgamentos injustos ou “ultrajes à dignidade pessoal, em particular, tratamento humilhante e degradante”. A lei permitirá que o programa de detenção secreta da CIA continue.

 

Abrangendo quatro presidências e quase 20 anos, o centro de detenção mais infame do mundo tornou-se um símbolo de abusos dos direitos humanos.
As promessas de fechar a prisão remontam a quatro governos dos EUA

 

18 de março de 2007 : Dois residentes do Reino Unido, Ahmed Rashidi e Ahmed Belbacha são liberados por um tribunal do Pentágono para serem libertados da prisão, mas enfrentam detenção indefinida porque o Reino Unido se recusa a autorizar sua libertação.

 

26 de março de 2007 : Abdul Malik Abdul-Jabbar, cidadão do Quênia, é transferido para a Baía de Guantánamo, marcando a primeira vez desde setembro de 2004 que um detento foi transferido diretamente para Guantánamo. As repatriações de detidos para outros países continuam ao longo do ano.

 

20 de maio de 2008 : Murat Kurnaz torna-se o primeiro ex-detento de Guantánamo a testemunhar perante o Congresso dos EUA, o que ele faz da Alemanha via videolink.

 

12 de junho de 2008 : A Suprema Corte dos Estados Unidos decide sobre Boumediene v Bush e Al Odah v Estados Unidos que os detidos na Baía de Guantánamo devem ter o direito de contestar sua detenção nos Tribunais Federais dos Estados Unidos por meio de pedidos de habeas corpus.

 

16 de novembro de 2008 : Barack Obama, então candidato a presidente dos Estados Unidos, declara sua intenção de fechar Guantánamo .

  

14 de janeiro de 2009 : Uma declaração pública admitindo que um detento foi torturado é liberada pela primeira vez por um alto funcionário do governo Bush responsável por revisar as práticas na Baía de Guantánamo. A declaração admitiu que o tratamento de um cidadão saudita atendeu à definição legal de tortura.

 

22 de janeiro de 2009 : O presidente Obama emite três ordens executivas: uma ordenando o fechamento da prisão de Guantánamo em um ano, outra proibindo o uso de técnicas controversas de interrogatório da CIA e uma terceira ordenando uma revisão das opções de política de detenção.

 

15 de maio de 2009 : O preso Lakhdar Boumediene é transferido para a França. Ele estava detido desde 2002 e foi usado por advogados para ganhar o caso histórico da Suprema Corte que determinou que os detidos na Baía de Guantánamo tinham direito a habeas corpus. Enquanto isso, o presidente Obama anuncia que continuará com o tão criticado sistema de tribunais militares que o presidente Bush criou para julgar suspeitos de terrorismo, embora de uma forma diferente.

 

9 de junho de 2009 : O primeiro detido, Ahmed Ghailani, que não é cidadão americano, é trazido da Baía de Guantánamo para o território americano para enfrentar um julgamento federal. Ele acaba sendo condenado à prisão perpétua por seu papel no bombardeio das embaixadas dos EUA.

 

11 de junho de 2009 : Mohammed el Gharani, o prisioneiro mais jovem da Baía de Guantánamo, é libertado. Ele tinha 14 anos quando foi preso no Paquistão em 2001.

 

Novembro de 2009 : Obama admite que o prazo planejado para fechar a instalação até janeiro de 2010 será perdido.

 

Desde 2002, 732 detentos de Guantánamo foram enviados para casa ou para outros países por meio de acordos de transferência de prisioneiros.  Há 39 ainda detidos.  Nove morreram sob custódia.
A maioria dos prisioneiros foram transferidos por acordos prisionais, nove morreram na prisão e 39 permanecem na baía

 

22 de janeiro de 2010 : O Departamento de Justiça dos EUA determina que quase 50 dos 196 detidos restantes na Baía de Guantánamo devem ser mantidos indefinidamente sem acusações ou julgamento. Um punhado de detidos enfrentará tribunais militares pelo resto do ano.

 

7 de março de 2011 : Obama assina uma ordem executiva para retomar os julgamentos militares na Baía de Guantánamo, estabelecendo formalmente um sistema para manter alguns detidos indefinidamente. A ordem é uma ruptura decisiva com uma de suas promessas de campanha.

 

4 de abril de 2011 : O procurador-geral Eric Holder anuncia a decisão de processar cinco homens acusados ??de planejar os ataques de 11 de setembro de 2001 perante uma comissão militar na Baía de Guantánamo. “O governo Obama desperdiçou uma oportunidade chave para rejeitar as políticas ilegais de contraterrorismo do passado”, disse Andrea Prasow, conselheira sênior de contraterrorismo da Human Rights Watch, na época .

 

24 de abril de 2011 : WikiLeaks divulga arquivos secretos militares dos EUA, mostrando que a Baía de Guantánamo deteve mais de 150 homens inocentes por anos. Por esta altura, 604 presos foram transferidos para fora da prisão, enquanto 172 permanecem detidos lá.

 

O então presidente dos EUA, Barack Obama, discute os planos do governo para fechar a prisão militar de Guantánamo

 

5 de maio de 2012 : Khalid Sheikh Mohammed, um suposto mentor dos ataques de 11 de setembro e outros quatro acusados ??co-conspiradores, são formalmente acusados em um tribunal militar na Baía de Guantánamo. Eles apareceram em público pela primeira vez em mais de três anos.

 

12 de março de 2013 : Detentos iniciam greves de fome por causa do que dizem estar se deteriorando as condições prisionais. Um porta-voz da prisão informa que, dos 166 presos, sete estavam em greve de fome.

 

7 de julho de 2013 : Um dos grevistas da fome, o iemenita Moath al-Alwi, escreve um artigo de opinião para a Al Jazeera sobre por que ele está recusando comida.

 

27 de dezembro de 2013 : Obama insta os legisladores dos EUA a irem mais longe no relaxamento das restrições à transferência de detidos de Guantánamo para a custódia de governos estrangeiros. Obama também disse que o Congresso mantém regulamentações que impedem a transferência de prisioneiros para solo americano, onde podem ser julgados em um tribunal federal.

  

5 de julho de 2014 : Advogados de dois detentos da Baía de Guantánamo apresentam moções pedindo a um tribunal dos EUA que impeça as autoridades de impedir que os presos participem de orações comunitárias durante o mês sagrado islâmico do Ramadã. Os advogados argumentam que os direitos dos detidos são protegidos pela Lei de Restauração da Liberdade Religiosa (RFRA).

 

18 de fevereiro de 2015 : A primeira condenação por terrorismo perante um tribunal militar dos EUA na Baía de Guantánamo foi revertida. O australiano David Hicks, que se declarou culpado de fornecer apoio material ao terrorismo, teve sua condenação rejeitada por um tribunal de apelações militar dos EUA .

 

26 de setembro de 2015 : Autoridades dos EUA disseram que Shaker Aamer, o último residente britânico detido na Baía de Guantánamo , seria libertado. Aamer, nascido na Arábia Saudita, estava detido há 14 anos e foi libertado após um apelo do primeiro-ministro do Reino Unido.

  

23 de fevereiro de 2016 : Obama propõe um plano “de uma vez por todas” para fechar a prisão militar na Baía de Guantánamo e transferir os detidos restantes para uma instalação nos EUA. O plano não foi aprovado por outros legisladores e acabou mal sucedido.

 

16 de abril de 2016 : Os EUA transferem nove homens iemenitas de Guantánamo para a Arábia Saudita, incluindo um preso que estava em greve de fome. A transferência marcou o maior grupo de prisioneiros enviados para fora da base naval desde que Obama lançou seu plano de fechar o centro antes de deixar o cargo.

 

16 de agosto de 2016 : Quinze prisioneiros da Baía de Guantánamo são transferidos para os Emirados Árabes Unidos, deixando 61 detidos na prisão.

 

20 de janeiro de 2017 : Donald Trump toma posse como presidente dos Estados Unidos. Na campanha, ele prometeu “lotar (Guantánamo) com alguns caras maus”. Menos de 50 detidos permaneciam na prisão quando Trump assumiu o cargo.

  

30 de janeiro de 2018 : Trump assina uma ordem executiva para manter a prisão de Guantánamo aberta. Em seu discurso, Trump disse esperar que “em muitos casos” terroristas capturados sejam enviados para a prisão.

 

27 de abril de 2019 : O comandante da marinha da força-tarefa que administra a prisão de Guantánamo, o contra-almirante John Ring , é demitido por “perda de confiança em sua capacidade de comandar”.

 

20 de janeiro de 2020 : Joe Biden, que havia sinalizado seu desejo de fechar Guantánamo, toma posse como presidente dos EUA.

 

22 de janeiro de 2020 : Um dos homens creditados pela criação do programa de tortura da CIA testemunha na Baía de Guantánamo como parte de uma audiência pré-julgamento de cinco homens acusados pelos ataques de 11 de setembro. Jim Mitchell defendeu seu papel no programa como uma questão de coragem moral.

  

21 de junho de 2021 : O ex-presidente Trump considerou enviar cidadãos americanos infectados com coronavírus para a Baía de Guantánamo, de acordo com um novo livro lançado por repórteres do Washington Post. “Não temos uma ilha que possuímos?” Trump perguntou à equipe na Sala de Situação em fevereiro de 2020, informou o Washington Post em junho de 2021. “E quanto a Guantánamo?”

 

10 de setembro de 2021 : Khalid Sheikh Mohammed, o suposto mentor dos ataques de 11 de setembro, junto com quatro co-réus compareceram a um tribunal militar na Baía de Guantánamo pela primeira vez desde o início da pandemia de coronavírus. Mustafa Ahmed al-Hawsawi, Ramzi bin al-Shibh, Walid bin Attash e Abd al-Aziz Ali e Mohammed enfrentam a pena de morte em um julgamento por um tribunal militar na Baía de Guantánamo que está atolado no processo.

 

29 de outubro de 2021 : Um detento detido na Baía de Guantánamo oferece a primeira conta pública em um tribunal de tortura dos EUA em uma instalação clandestina da CIA. Majid Khan, um ex-residente de um subúrbio de Baltimore, detalhou ter sido afogado, abusado física e sexualmente e sofrer outras formas de tormento em um "local secreto" da CIA.

  

27 de dezembro de 2021 : Biden assina um projeto de lei de gastos militares de US$ 770 bilhões , mas a Casa Branca critica as disposições da legislação que proíbem o uso de fundos para transferir detidos da Baía de Guantánamo para países estrangeiros ou para os EUA, a menos que certas condições sejam atendidas. Biden disse que espera fechar a prisão antes que seu mandato termine, mas o governo federal ainda está impedido por lei de transferir detentos para prisões no continente americano.

 

11 de janeiro de 2022 : A Baía de Guantánamo recebeu seus primeiros detentos há 20 anos.

 

Da Aljazira com agências de notícias